Equilibrar a sobrecarga de trabalho para manter a produtividade

A constante busca por redução de custos, enxugamento do quadro de funcionários e automação são alguns dos entraves do mercado de trabalho contemporâneo. Muitas empresas, buscando adequação para não perder competitividade, fazem com que seus profissionais trabalhem em dobro e produzam o triplo. Diante desse cenário, como equilibrar a sobrecarga de trabalho e manter a produtividade e a qualidade exigidas pelo ambiente corporativo?  

Para o administrador e consultor de processos organizacionais Marcelo Boog, cada profissional tem o seu limite de tempo para executar e produzir com qualidade. “Existem pessoas que não suportam uma jornada muito longa. Se um dia trabalham mais de 16 horas, no dia seguinte estão com baixíssima produtividade. Outras, conseguem lidar com a sobrecarga de maneira mais duradoura, produzindo com qualidade”, explica Boog. A forma de lidar com a sobrecarga de trabalho também varia de geração para geração: “A geração Y, pessoas nascidas nos anos 80, lidam muito bem com diversos assuntos ao mesmo tempo, já para os baby bommers, nascidos entre 1945 e 1960, o fato pode se tornar um gerador de sobrecarga”, argumenta. 

Situações de sobrecarga contínua, levadas ao extremo, provocam um impacto negativo na saúde física, psicológica e emocional da pessoa. Quando a sobrecarga passa a ser a regra e não a exceção, os danos podem acarretar mudanças no ambiente organizacional em que o profissional atua. Nestes casos, o excesso de trabalho se reflete na queda de produtividade, com impactos significativos nos resultados. Boog salienta que, conscientes ou não, as pessoas devem  procuram um equilíbrio entre o dar e o receber no trabalho.“Se a empresa exige que cada colaborador contribua dando o máximo de si continuamente, sem que haja uma retribuição, a relação está desequilibrada e, certamente, o sentimento do profissional será de que está sendo explorado e injustiçado”, observa. 

Uma vez inserido em um mercado competitivo, onde quem dá mais se sobressai, o profissional precisa adotar alguns comportamentos para equilibrar sua rotina de trabalho: “É necessário cuidar da saúde, pois quem se submete continuamente à sobrecarga, pode estar alimentando alguma doença, como estresse, hipertensão, diabetes e outras. Recomendam-se atividade física, descanso, prática de hobbies e atividades antiestresse”, orienta o consultor. 

Do ponto de vista de Boog, uma boa saída para equilibrar as tarefas e as contínuas pressões é avaliar se os recursos materiais estão sendo suficientes para a realização do trabalho, ajustar metas e negociar prazos. Outra dica é buscar a otimização dos processos, determinando qual a forma mais adequada para desempenhar uma tarefa. “Nessa etapa, o líder tem o papel fundamental e desafiador de identificar e prevenir a sobrecarga, dosando a pressão pelos resultados com a dimensão humana”, salienta.

http://www.deleon.com.br/crcsp/2011/115/04_carreira_a.htm

Publicado em 19/04/2011, em ICTUS INFORMA. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: